Blockchain & Packaging: How Can Technology Improve a Supply Chain’s Packaging Strategy?

T


There has been a lot of ‘buzz’ in the media lately around “blockchain” or “blockchain technology,” and so I thought I would share my perspective on how this new technology will impact packaging and some specific supply chains.

First, a primer on blockchain technology seems in order to ensure we’re all grounded. The basics are pretty simple, the details under the hood are something else. For starters, there is no single universal blockchain, but rather blockchain is a technology named to describe an open-source system to ensure the transparency and security of a series of actions/transactions. Thus, there are many blockchains based on need, with the most widely recognized one used for Bitcoin.

Often blockchain technology is described as a decentralized ledger using a peer-to-peer (P2P) network in which new ‘blocks’ are added to the ledger with each action/transaction. Often, the response I get when asking my colleagues if they know what that means, I see hunched shoulders, raised hands and blank stares. Seeking to decode this, I will pull the pieces apart a little. The phrase ‘decentralized ledger using P2P networks’, merely means that an action/transaction is recorded in parallel on a series of publicly accessible computers (similar to cloud storage). When executed, the ‘action/transaction’ is recorded as a ‘block’. The sequence of these blocks is a blockchain. The P2P network is used and programmed to ensure that each action/transaction is valid by comparing each parallel copy of the blockchain to sister copies. In the world of financial transactions, this technology ensures that you can only buy, sell or ‘spend’ the individual Bitcoin currency once.

Simple … huh? So, what the heck is the big deal?

In the past, to ensure an action/transaction was valid, a centralized authority to govern and manage the system was required. In the case of a nationally minted currency, the government serves as the centralized authority. Perhaps the phrase “full faith and credit” sounds familiar? This is a short phrase in a clause in the US Constitution (4th Amendment for those of you keeping score at home). In short the “full faith…” clause means an unconditional guarantee or commitment by one entity (in this example the state or US government) to back the interest and principal of another entity’s debt, typically used in state’s rights. That probably went a little too deep, but stick with me.

The ‘so-what’ of blockchain is that secure transactions no longer need a centralized guarantor or governor; the system is public and transparent, and no single entity can corrupt or con the system, making it even more secure than previous systems whether they be financial systems or not. You may recall the mortgage fiasco that drove the economy into a deep recession in late 2008. Perhaps had there been blockchain transparency over those transactions, we may have avoided the economic meltdown.

The technology currently proves pretty hard to access, similar to the original internet prior to the access technology of the World Wide Web (Web); the Web set up the protocols that allowed for very simple access with standard protocols. Similarly, companies are now jumping in to provide simpler access to the blockchain technology, so expect to see a very rapid adoption rate soon, with surprising, and often unusual, applications.

Now, how can blockchain technology and packaging have any connection?

The most relevant ways I see blockchain technology can influence packaging and supply chains are:

Consumer awareness (communication & transparency of producer values, authenticity, origin)
Track & Trace for food, medical devices, pharmaceuticals and other critical markets
Ensure brand protection from counterfeit production in combination with Industry 4.0
To leverage blockchain technology to achieve the above goals is based on the ability for the package to communicate to the Web, the consumer and the supply chain. In the past, maintaining control of product identity and integrity meant paperwork that would travel with the shipment (BOL, packing lists, etc.). Additionally, physical security measures are employed to ensure the shipment is not tampered with during its journey in the global distribution network.

More recently barcodes, serial numbers, security features (holograms, etc.), RFID and other measures are being used to communicate authenticity. These technologies are often passive and in order to confirm this authenticity, communication with the Web or other private network was required to ensure integrity, etc. Most lately, the use of QR codes and the use of smartphones have allowed a richer entanglement between producer and consumer. However, the counterfeiters have kept pace, often including more security features on a package to confuse the consumer.

At this time, all these technologies are pointing back to a centralized, governed, private and highly managed database to ensure authenticity or provide some other information such as nodes in a traceability query. Once blockchain technology leverages similar seamless access like the internet did with the Web, we will likely see blockchain technology be fairly ubiquitous for Tack & Trace for food & pharmaceutical safety.

As manufacturers leverage interactive product marking systems that may be triggered to point to a blockchain for authentication, then perhaps we witnessing the very beginning of a highly secure supply chain of goods. Perhaps we will see newer technologies like ‘Near Field Communication’ NFC (similar to Apple Pay or in credit cards ‘tap to pay’) or active printable RFID tags lead the way to safer and more secure supply chains. The technology is still in its infancy but demonstrates a lot of promise for future supply chain innovation.

em havido muita ‘agitação’ na mídia ultimamente em torno de “blockchain” ou “blockchain technology”, e então eu pensei em compartilhar minha perspectiva sobre como esta nova tecnologia impactará as embalagens e algumas cadeias de suprimentos específicas.

Primeiro, uma cartilha sobre a tecnologia blockchain parece a fim de garantir que estamos todos ancorados. O básico é bem simples, os detalhes sob o capô são outra coisa. Para começar, não existe um blockchain universal único, mas blockchain é uma tecnologia chamada para descrever um sistema de código aberto para garantir a transparência e a segurança de uma série de ações / transações. Assim, existem muitos blockchains baseados na necessidade, com o mais amplamente reconhecido para o Bitcoin.

Frequentemente, a tecnologia blockchain é descrita como um ledger descentralizado usando uma rede peer-to-peer (P2P) na qual novos ‘blocos’ são adicionados ao ledger em cada ação / transação. Muitas vezes, a resposta que recebo quando pergunto aos meus colegas se eles sabem o que isso significa, vejo ombros encurvados, mãos levantadas e olhares vazios. Buscando decodificar isso, vou separar um pouco os pedaços. A frase “razão descentralizada usando redes P2P” significa apenas que uma ação / transação é registrada em paralelo em uma série de computadores acessíveis ao público (semelhante ao armazenamento na nuvem). Quando executada, a ‘ação / transação’ é registrada como ‘bloco’. A sequência desses blocos é um blockchain. A rede P2P é usada e programada para garantir que cada ação / transação seja válida comparando cada cópia paralela do blockchain com cópias irmãs.

Simples… huh? Então, o que diabos é o grande negócio?

No passado, para garantir que uma ação / transação fosse válida, era necessária uma autoridade centralizada para governar e gerenciar o sistema. No caso de uma moeda nacionalmente cunhada, o governo serve como autoridade centralizada. Talvez a frase “fé e crédito completos” pareça familiar? Esta é uma frase curta em uma cláusula da Constituição dos EUA (4 ª Emenda para aqueles de vocês que mantêm pontuação em casa). Em suma, a cláusula “fé total…” significa uma garantia ou compromisso incondicional de uma entidade (neste exemplo, o estado ou o governo dos EUA) para apoiar o interesse e o principal da dívida de outra entidade, normalmente usada nos direitos do Estado. Isso provavelmente foi um pouco profundo demais, mas fique comigo.

O ‘assim-que’ do blockchain é que as transações seguras não precisam mais de um fiador ou governador centralizado; o sistema é público e transparente, e nenhuma entidade única pode corromper ou comprometer o sistema, tornando-o ainda mais seguro do que os sistemas anteriores, sejam sistemas financeiros ou não. Você pode se lembrar do fiasco das hipotecas que levou a economia a uma recessão profunda no final de 2008. Talvez houvesse transparência na blockchain sobre essas transações, podemos ter evitado o colapso econômico.

A tecnologia atualmente é bastante difícil de acessar, semelhante à da internet original antes da tecnologia de acesso da World Wide Web (Web); a Web configurou os protocolos que permitiam acesso muito simples com protocolos padrão. Da mesma forma, as empresas estão entrando no mercado para fornecer acesso mais simples à tecnologia blockchain, por isso esperamos ver uma taxa de adoção muito rápida em breve, com aplicativos surpreendentes e muitas vezes incomuns.

Agora, como a tecnologia blockchain e a embalagem podem ter alguma conexão?

As formas mais relevantes que vejo a tecnologia blockchain pode influenciar as cadeias de embalagem e de fornecimento são:

Conscientização do consumidor (comunicação e transparência dos valores do produtor, autenticidade, origem)
Track & Trace para alimentos, dispositivos médicos, produtos farmacêuticos e outros mercados críticos
Garantir proteção de marca contra a produção de produtos falsificados em combinação com o Industry 4.0
Aproveitar a tecnologia blockchain para alcançar os objetivos acima é baseado na capacidade do pacote de se comunicar com a Web, o consumidor e a cadeia de suprimentos. No passado, manter o controle da identidade e integridade do produto significava papelada que viajaria com a remessa (BOL, listas de embalagem, etc.). Além disso, medidas de segurança física são empregadas para garantir que a remessa não seja adulterada durante sua jornada na rede de distribuição global.

Mais recentemente, códigos de barras, números de série, recursos de segurança (hologramas, etc.), RFID e outras medidas estão sendo usados ​​para comunicar a autenticidade. Estas tecnologias são muitas vezes passivas e para confirmar esta autenticidade, a comunicação com a Web ou outra rede privada foi necessária para garantir a integridade, etc. Ultimamente, o uso de códigos QR e o uso de smartphones têm permitido um entrelaçamento mais rico entre produtor e consumidor. No entanto, os falsificadores mantiveram o ritmo, muitas vezes incluindo mais recursos de segurança em um pacote para confundir o consumidor.

No momento, todas essas tecnologias estão voltando a um banco de dados centralizado, governado, privado e altamente gerenciado para garantir a autenticidade ou fornecer outras informações, como nós, em uma consulta de rastreabilidade. Uma vez que a tecnologia blockchain alavanca acesso similar similar como a Internet fez com a Web, provavelmente veremos a tecnologia blockchain ser bastante onipresente para a Tack & Trace para segurança alimentar e farmacêutica.

À medida que os fabricantes aproveitam os sistemas interativos de marcação de produtos que podem ser acionados para apontar para um blockchain para autenticação, então talvez presenciemos o início de uma cadeia de fornecimento de produtos altamente segura. Talvez vejamos tecnologias mais recentes como a NFC “Near Field Communication” (semelhante à Apple Pay ou em cartões de crédito “tap to pay”) ou etiquetas RFID imprimíveis ativas liderem o caminho para cadeias de fornecimento mais seguras e seguras. A tecnologia ainda está engatinhando, mas demonstra muita promessa para futuras inovações na cadeia de suprimentos.

Um profissional certificado em embalagens da IoPP (Institute of Packaging Professionals), o Consultor Sênior de Embalagem da Chainalytics, Eric Carlson, ajuda os clientes a gerenciar os desafios de embalagem com alto grau de complexidade que deriva de sua combinação única de escala, variabilidade e geografia.

Fonte: https://www.chainalytics.com/blockchain-packaging-can-technology-improve-supply-chains-packaging-strategy/